sexta-feira, 25 de setembro de 2009

POLÍTICAS PÚBLICAS-EXERCÍCIO


Exercício para a turma do curso de Capacitação em Educação Ambiental da IERGS.

Prezados alunos,

Segue figura com o esquema simplificado do processo de criação e implementação de Políticas Públicas.

O objetivo do exercício é elaborar um comentário, de como utilizaria a Educacação Ambiental como ferramenta para criação e implementação de projetos de Políticas Públicas.

Bom trabalho!

segunda-feira, 14 de setembro de 2009

Ser professor.....


Prezados alunos!!!!! retirei esse texto do site : ser professor universitário (http://www.serprofessoruniversitario.pro.br)

gostaria de uma reflexão de vocês sobre o que é exposto abaixo:


Ensinar é muito mais que apenas transmitir informação.Assim como aprender é mais do que apenas absorver o que foi ensinado.
Um professor bem sucedido deve ser capaz de se ajustar a uma larga variedade de estudantes, o que significa se ajustar a experiências diferentes, conhecendo estilos e atitudes para aprender, inclusive insegurança, excesso de confiança, ansiedade, preconceito, falta de motivação e até um medo irracional do assunto , quase sempre explicados pela frase " Eu não dou para isso" .
Geralmente a verdadeira razão é que tiveram maus professores, e por isso incapazes de motiva-los e transformar o APRENDER em algo prazeiroso .


O Professor completo é aquele que é também Educador,que sente prazer em provocar Aprendizagem.

O bom ensino se apresenta em muitas variedades, que podem ser vistas facilmente ao observar os estilos pedagógicos diferentes de todos os bons professores. O bom professor é aquele que procura conhecer e adaptar sua ação aos Estilos de Aprender de seus alunos. Porém, eu penso que há vários elementos comuns que podem ser identificados s em qualquer bom professor, e que podem ser resumidos na seguinte lista de metas:
Comunique-se com eficiência: Dizer algo que é verdade ou correto e que foi fácil para você entender, não significa que seus estudantes entenderão isso também. Você precisa olhar para o material através dos olhos deles, de forma que possa imaginar como eles reagirão ao que você lhes comunica.
Ajude seus estudantes a aperfeçoar suas habilidades analíticas: É melhor ajudá-los a resolver um problema difícil do que resolvê-lo completamente para eles.Embora no principio leve mais tempo , na próxima vez que eles encontrarem um problema semelhante eles poderão resolvê-lo. Esse método chama-se APRENDIZAGEM ATIVA e é um dos métodos para se chegar ao APRENDER A APRENDER.
Encoraje a criatividade de seus estudantes: Até estudantes que freqüentam cursos de matemática de nível médio podem ser muito criativos se receberem a oportunidade. O problema mais comum deles é que ninguém os ensinou como se fazer perguntas certas, que podem guiar o fluxo da sua intuição.
Mostre a seus estudantes como se comunicar com eficiência: Estando aptos a escrever coerentemente (e a expressar-se oralmente com eficiência) significa que eles realmente entenderam o assunto, e isso poderia ser a diferença entre "quase entender" e dominar o mesmo assunto.
Estimule o interesse e o prazer de seus estudantes pela matemática: Se você está ensinando um curso que tenha de usar matemática ou estatística evite força-los a decorar formulas mas faça-os compreende-las. Aprender a utilidade E aplicações de formulas é mais importante que saber usa-las mecanicamente.
Promova interação entre estudantes: Ser capaz de trabalhar com outras pessoas é uma habilidade muito importante no mundo moderno, e também os ajudará a ser mais produtivos em sua classe.
Seja um avaliador justo: Muitos estudantes são profundamente preocupados com as notas (avaliações) que recebem. Explique claramente a seus estudantes o que é necessário para obter boas notas em sua classe, e não deixe parecer que é mais difícil ou mais fácil do que realmente é. Professor que tem prazer em reprovar alunos não é educador.É terrorista.
Entretenha seus estudantes: É mais fácil interagir com alguém que esta de bom humor. Procure tornar suas aulas num ambiente agradável Aprenda com sua experiência: Se algo foi particularmente bem (ou mal), pergunte a si próprio qual foi a razão. Há muitas coisas que nossos estudantes podem nos ensinar, até mesmo quando não estão conscientes disso.
Goste de ensinar: Afinal de contas, você está fazendo algo que gosta. Se divirta ensinando, e deixe isso transparecer! Ensinar é divertido--ou deveria ser. Professores têm o poder para entediar seus estudantes às lágrimas ou fazer suas vidas mais divertidas, ricas, e reflexivas. Quando isso acontece com os estudantes, o professor também nunca estará entediado.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

Mapas Conceituais


A teoria a respeito dos Mapas Conceituais foi desenvolvida na decáda de 70 pelo pesquisador norte-americano Joseph Novak. Ele define mapa conceitual como uma ferramenta para organizar e representar o conhecimento.

O mapa conceitual, foi originalmente baseado na teoria da aprendizagem significativa de David Ausubel. A aprendizagem pode ser dita significativa quando uma nova informação adquire significado para o aprendiz através de uma espécie de ‘ancoragem’ em aspectos relevantes da estrutura cognitiva preexistente do indivíduo. Na aprendizagem significativa há uma interação entre o novo conhecimento e o já existente, na qual ambos se modificam. À medida que o conhecimento prévio serve de base para a atribuição de significados à nova informação, ele também se modifica. A estrutura cognitiva está constantemente se reestruturando durante a aprendizagem significativa. O processo é dinâmico; o conhecimento vai sendo construído.

Podemos dizer que mapa conceitual é uma representação gráfica em duas dimensões de um conjunto de conceitos construídos de tal forma que as relações entre eles sejam evidentes. Os conceitos aparecem dentro de caixas enquanto que as relações entre os conceitos são especificadas através de frases de ligação nos arcos que unem os conceitos. As frases de ligação têm funções estruturantes e exercem papel fundamental na representação de uma relação entre dois conceitos. A dois conceitos, conectados por uma frase de ligação chamamos de proposição. As proposições são uma característica particular dos mapas conceituais se comparados a outros tipos de representação como os mapas mentais.

domingo, 6 de setembro de 2009

Educação contemporânea


Prezados alunos ...comentem sobre o texto abaixo:

Todo educador que trabalha com Educação a Distância sabe da importância de se ter momentos presenciais durante um curso virtual.

Por outro lado, os educadores envolvidos com cursos baseados em salas de aula reais vêm descobrindo as vantagens de se utilizar recursos virtuais para apoiar e complementar as atividades de aprendizagem presenciais.

Enquanto tínhamos uma separação clara entre "cursos convencionais" e "cursos a distância" não sentíamos a necessidade de se avaliar a "dosagem de distância" presente na "fórmula" de cada curso. A distância na educação, além de relativa, pode ser vista sob diferentes enfoques. O que realmente importa é a sensação de distância percebida pelo aprendiz.

A expressão "Educação a Distância" vem sendo largamente utilizada para designar formas tão diferentes de aprendizagem quanto cursos por correspondência e laboratórios virtuais de imersão total.

A fim de auxiliar na compreensão do papel da distância na educação, Tori (1999), propôs uma classificação do conceito de "distância", sob a perspectiva dos envolvidos em atividades de ensino/aprendizagem. Tal classificação, revista e aprimorada, é exposta a seguir.

Quando há uma separação espacial, seja entre o aprendiz e o responsável pela condução do processo (professor, tutor, orientador Exemplos de aprendizagem remota são os cursos por correspondência, as vídeo e teleconferências, os tele cursos, os treinamentos baseados em Web e sistemas de auto aprendizagem. tador, mentor etc.),é que é possível a presença simultânea de alunos e professores, ainda que separados fisicamente.


A distância temporal se refere à simultaneidade ou não das atividades que relacionam aluno-professor, aluno-aluno e aluno-material, dentro de um processo de ensino-aprendizagem.


Em geral, o processo local é também síncrono, enquanto que o remoto pode ser tanto síncrono (exemplo: video-conferência, chat via internet) quanto assíncrono (exemplo: fórum de discussão via internet, ensino por correspondência).


A distância interativa, ou operacional, se relaciona diretamente à participação do aluno no processo e informa se este é operacionalmente ativo ou passivo. Assim como nas classificações das demais distâncias, há 3 tipos de distâncias interativas: professor-aluno ( aula expositiva X aula interativa); aluno-material (material passivo X material interativo); aluno-aluno (trabalho individual X trabalho cooperativo).


Texto Adaptado por Prof. Eduardo de Almeida

FONTE: Extraído e adaptado de TORI, Romero. Avaliando Distâncias na Educação. Disponível em: .

Acesso em: 12 mar. 2009.