quarta-feira, 14 de setembro de 2011

O Mito da Mariposa Biston Betularia


Estimados alunos!

Segue material para reflexão de vocês.

Att.

Prof. Eduardo

Fonte de onde o texto foi retirado:
http://evolution-myth.blogspot.com/2008/04/o-mito-da-mariposa-biston-betularia.html

Fonte: Answers In Genesis
Tradução e Adaptação: J.S. Cavani

Há um exemplo muito estudado pelos evolucionistas conhecido comomelanismo industrial. Este exemplo é tão clássico que nas escolas públicas (High School) de ensino médio de países como os EUA (onde estudei por quatro anos), tornou-se um ritual que os professores de biologia fazem todo ano: passar um vídeo mostrando como o melanismo industrial comprova evolução em ação. A estória é mais ou menos assim: a mariposa Biston betularia existia em duas formas: clara e escura. A poluição vinda da Revolução Industrial havia escurecido os troncos das árvores matando os líquens que nelas existiam (e que davam uma coloração clara as árvores). A mariposa clara que antes estava bem camuflada pela tonalidade clara dos troncos, agora era mais visível (pois os troncos perderam a tonalidade dada pelo líquem), e os pássaros começaram a fisgá-las com mais facilidade. Assim a proporção de mariposas escuras aumentou drasticamente. Mais tarde a poluição diminuiu, e a mariposa clara tornou-se predominante novamente.


A mudança em números das mariposas foi cuidadosamente documentada. Adicionando a isto os pássaros foram filmados comendo preferencialmnete as mariposas menos camufladas. Segundo os evolucionistas, isto era então a seleção natural direcionando a evolução (embora não existe nenhuma evolução, mas apenas seleção natural). No entanto esta estória clássica apresenta bastante furos. Estas mariposas não repousam sobre troncos de árvores durante o dia. O Cientista britânico Cyril Clarke, que investigou a mariposa Biston betularia extensivamente, escreveu: “O problema é que nós não sabemos onde as mariposas repousam durante o dia...Em 25 anos nós descobrimos apenas duas betularianos troncos das árvores ou nas paredes adjacentes à nossas armadilhas... e nenhuma mariposa em qualquer outro lugar.”[1]


As mariposas filmadas que foram comidas pelos pássaros eram mariposas criadas em laboratório que foram colocadas nas árvores. As fotos que foram tiradas das mariposas nas árvores eram na verdade mariposas mortas coladas nas árvores.[2] Em outras palavras, os filmes que foram filmados e os livros que foram escrito a respeito tinham muitas fotos fraudulentas. O biologista evolucionário Jerry Coyne da Universidade de Chicago concorda que a estória das mariposas, que era o cavalo favorito para a corrida, precisa ser jogado fora. Ele disse que ao realizar a verdade sobre as mariposas, isto provocou nele o mesmo sentimento que ele teve quando descobriu que o Papai Noel não existia.[3] E o íncrivel é que a indoutrinação de milhões de estudantes ainda continua.


[1] C.A. Clarke, G.S. Mani e G. Wynne, Evolution in reverse: clean air and the peppered moth, Biological Journal of the Linnean Society26:189–199, 1985; p. 197.

[2] D.R. Lees & E.R. Creed, Industrial melanism in Biston betularia: the role of selective predation, Journal of Animal Ecology 44:67–83, 1975.

[3] J.A. Coyne, Nature 396(6706):35–36.


Fonte: http://www.answersingenesis.org/creation/v21/i3/moths.asp

3 comentários:

Cristiane disse...

muitíssimo interessante esta postagem prof., gostei muito e vou pesquisar sobre o assunto, assim que terminar meu relatório. Abs

GELSON MENEZES disse...

caro professor, assim como esse relato, eu acho que muitos fatos que nos são apresentados devem sim ser questionados, pois tudo é teoria tudo é questionável até que se chegue a uma verdade absoluta sobre os fatos, esse é um assunto muito instigante...

Um abraço

adriana disse...

Muito interessante esta história. Como acredito no criacionismo, foi mais uma prova da minha crença. Abraços